16 outubro 2016

Resenha: Baía da Esperança


Sinopse: Liza nunca conseguiu fugir do passado. Mas nas praias paradisíacas da encantadora comunidade de Silver Bay ela ao menos encontrou a liberdade e a segurança que procurava se não para ela, para sua filha pequena, Hannah, até que Mike Dormer se hospeda no hotel que Liza administra com a tia.
Um perfeito cavalheiro inglês, com roupas elegantes e olhar sério, Mike pode significar o fim de tudo que Liza trabalhou arduamente para proteger: não apenas o negócio da família e o lugar que tanto gosta, mas principalmente a convicção de que ela nunca amaria nem seria digna de amor outra vez.


***


O primeiro livro da Jojo Moyes que li foi, "Como Eu Era Antes de Você". Baía da Esperança é o quarto livro, dela que leio. Porém se eu tivesse lido este livro, anteriormente aos três primeiros. Teria me         tornado, fã dela o suficiente para querer ler todos os livros da # JojoMoyes  A cada livro, por ela escrito, tem uma temática, bem distintas. Em Baía da Esperança. Os focos da história são sobre: A preservação da natureza, Laços familiares e um tema bastante delicado A agressão contra as mulheres. E claro, não pode faltar, uma história de AMOR. Aventura, amor, mistério, dor e recomeços. Tudo isso, são elementos, que compõe essa história, que vale, apena ler. Mesmo, que. em um dado momento a história pareça monótona. Ai vai meu. Conselho: Nunca subestime a capacidade de Jojo na arte de emocionar e surpreender os seus leitores. Que a cada livro, que dela ler, mais #jojolovers se tornam.







Sou o tipo de leitora, que aprecio, uma boa história. Classifico, pela capacidade, que ela  tem de me prender. Diferentemente, dos Livros: "Como Eu era Antes de Você e "A última Carta de Amor" que são histórias, no nível #master de romantismo. Baía... me prendeu, e me surpreendeu, positivamente, por ser,     diversificado, com poucos personagens, cada personagem, narram um capitulo do livro.  Kathllen (tia de Liza e dona do hotel)  Greg (um bargueiro que carrega um amor não correspondido por Liza)   Hannah (Filha de Liza uma doce menina, que é super protegida pela mãe) Liza (A protagonista da história, sobre ela paira uma grande dor, e a resignação de que não amaria e nem seria amada amar) Mike ( Um jovem executivo, que após duas semanas hospedado, no hotel simples e familiar, que Liza administram com a tia, ele começa a  se questionar sobre, sua vida, profissional, suas ambições e sobre o que sente por sua noiva, linda rica exatamente, o oposto de Liza, mulher reservada, despojada, mas que o encanta, de forma que deixa Mike inquieto. Além da afinidade, dele com a Hannah.  Mas entre Mike e Liza existe, pontos de vistas muito diferentes. E para um possível romance dá certo alguém tem que abrir mão de seus ideais. 



Envolvente, cheio de reviravoltas, assim é Baía da Esperança. Um livro, que mostra mais uma vez, o quanto Jojo, é capaz de escrever histórias distintas. Sem diminuir, a capacidade, de envolver e emocionar. Uma leitura, leve, prazerosa e comovente. Assim é Baía da Esperança. 





Por Bia Oliveira 




11 outubro 2016

CineLivros: Trailer Oficial do filme: O vendedor de sonhos - Baseado no livro de Augusto Cury

Gente que Trailer é esse ?!!! Amo, amo o livro. E pelo trailer vou AMAR filme. Um presentão de fim de ano. Para renovar nossos sonhos para o ano que virá.





Fonte do Vídeo: YOUTUBE  


Sinopse do livro:

Em O Vendedor de Sonhos – O Chamado (Augusto Cury) um intelectual está a beira de cometer um suícidio e um maltrapilho desconhecido tenta impedi-lo, uma empreitada que nem a polícia e nem um famoso psiquiatra conseguiram resolver.

Lançado pela editora Academia de Inteligência, ele fala sobre conhecer-se e, com isso, salvar você de si mesmo.

Um maltrapilho, com uma eloquência cativante, começa a chamar seguidores para vender sonhos em uma sociedade que deixou de sonhar. Nada tão belo e tão estranho… Ao mesmo tempo em que arrebata as pessoas e as liberta do cárcere da rotina, arruma muitos inimigos.

Será ele um sábio ou o mais louco dos seres? Um romance que nos fará chorar, rir e pensar muito.

09 outubro 2016

“Apaixone-se por um grande homem!” Texto de Arnaldo Jabor

Nós homens nos caracterizamos por ser o sexo forte, embora muitas vezes caiamos por debilidade. Um dia, minha irmã chorava em sua casa… Com muita saudade, observei que meu pai chegou perto dela e perguntou o motivo de sua tristeza. Escutei-os conversando por horas, mas houve uma frase tão especial que meu pai disse naquela tarde, que até o dia de hoje ainda me recordo a cada manhã e que me enche de força. Meu pai acariciou o rosto dela e disse:

“Minha filha, apaixone-se por Um Grande Homem e nunca mais voltará a chorar”.

Perguntei-me tantas vezes, qual era a fórmula exata para chegar a ser esse grande homem e não deixar-me vencer pelas coisas pequenas… Com o passar dos anos, descobri que se tão somente todos nós homens lutássemos por ser grandes de espírito, grandes de alma e grandes de coração, O mundo seria completamente diferente!
Aprendi que um Grande Homem não é aquele que compra tudo o que deseja, porque muitos de nós compramos com presentes a afeição e o respeito daqueles que nos cercam.
Meu pai lhe dizia:
“Não se apaixone por um homem que só fale de si mesmo, de seus problemas, sem preocupar-se com você… Enamore-se de um homem que se interesse por você, que conheça suas forças, suas ilusões, suas tristezas e que a ajude a superá-las.”
Não creia nas palavras de um homem quando seus atos dizem o oposto. Afaste de sua vida um homem que não constrói com você um mundo melhor. Ele jamais sairá do seu lado, pois você é a sua fonte de energia… Foge de um homem enfermo espiritual e emocionalmente, é como um câncer matará tudo o que há em você (emocional, mental, física, social e economicamente)
Não dê atenção a um homem que não seja capaz de expressar seus sentimentos, que não queira lhe dar amor.
Não se agarre a um homem que não seja capaz de reconhecer sua beleza interior e exterior e suas qualidades morais.
Não deixe entrar em sua vida um homem a quem tenha que adivinhar o que quer, porque não é capaz de se expressar abertamente.
Não se enamore de um homem que ao conhecê-lo, sua vida tenha se transformado em um problema a resolver e não em algo para desfrutar.
Não se apaixone por um homem que demonstre frieza, insensibilidade, falta de atenção com você, corra léguas dele.
Não creia em um homem que tenha carências afetivas de infância e que trata de preenchê-las com a infidelidade, culpando-a, quando o problema não está em você, e sim nele, porque não sabe o que quer da vida, nem quais são suas prioridades. Por que querer um homem que a abandonará se você não for como ele pretendia, ou se já não é mais útil? Por que querer um homem que a trocará por um cabelo ou uma cor de pele diferente, ou por uns olhos claros, ou por um corpo mais esbelto? Por que querer um homem que não saiba admirar a beleza que há em você, a verdadeira beleza… a do coração? Quantas vezes me deixei levar pela superficialidade das coisas, deixando de lado aqueles que realmente me ofereciam sua sinceridade e integridade e dando mais importância a quem não valorizava meu esforço? Custou-me muito compreender que GRANDE HOMEM não é aquele que chega no topo, nem o que tem mais dinheiro, casa, automóvel, nem quem vive rodeado de mulheres, nem muito menos o mais bonito. Um grande homem é aquele ser humano transparente, que não se refugia atrás de cortinas de fumaça, é o que abre seu CORAÇÃO sem rejeitar a realidade, é quem admira uma mulher por seus alicerces morais e grandeza interior.
Um grande homem é o que cai e tem suficiente força para levantar-se e seguir lutando… Hoje minha irmã está casada e feliz, e esse Grande Homem com quem se casou, não era nem o mais popular, nem o mais solicitado pelas mulheres, nem o mais rico ou o mais bonito. Esse Grande Homem é simplesmente aquele que nunca a fez chorar… É QUEM NO LUGAR DE LÁGRIMAS LHE ROUBOU SORRISOS… Sorrisos por tudo que viveram e conquistaram juntos, pelos triunfos alcançados, por suas lindas recordações e por aquelas tristes lembranças que souberam superar, por cada alegria que repartem e pelos 3 filhos que preenchem suas vidas. Esse Grande Homem ama tanto a minha irmã que daria o que fosse por ela sem pedir nada em troca… Esse Grande Homem a quer pelo que ela é, por seu coração e pelo que são quando estão juntos. Aprendamos a ser um desses Grandes Homens, para vivenciar os anos junto de uma Grande Mulher e NADA NEM NINGUÉM NOS PODERÁ VENCER!


Por Arnaldo Jabor


Via: http://www.revistapazes.com/

Francisco pai, Francisco filho

Mais um lindo, artigo do Prof e Escritor Gabriel Chalita. Para aguçar nossa sensibilidade... É natural aos  poetas enxergarem, poesia, onde muitas pessoas, que olham  superficialmente,  veem  apenas, sofrimento, sacrifício e preconceito. Leiam:  


  Foi no dia 4 de outubro, dia de São Francisco, que estes dois me surpreenderam.
Antes da missa, houve um acolhimento. Um aspirante (um jovem que se prepara para ser sacerdote franciscano) percorria a Igreja entregando pequenas flores. A Igreja cantava "Irmãos, minhas irmãs, vamos cantar nesta manhã, pois renasceu mais uma vez a criação nas mãos de Deus . Irmã, flor que mal se abriu, fala do amor que não tem fim, água irmã que nos refaz e sai do chão cantando assim...". Abaixei-me para pegar a pequena flor que caiu do pequeno Francisco. Ele estava em uma cadeira de rodas. Sorria muito. Mexia-se como podia. Pouco. A doença roubara-lhe muitos movimentos. Mas a alegria que brotava dos seus olhos e o esforço para algo conseguir cantarolar deixava o pai orgulhoso. "É meu filho. Meu lindo filho". "Estou vendo". "Chama-se Francisco". "É um lindo nome". "Também me chamo Francisco. Meus santos pais souberam escolher".
Apenas sorri. O pai tinha as mãos grossas de um trabalhador acostumado às rudezas. Um chapéu ficava sobre o banco. Um pano grande também estava ali. Depois, vi que ele servia para cobrir a cabeça do filho para percorrem as ruas até a casa. "Moramos aqui perto. Francisco gosta muito de missa", justificou. O filho me olhava. Olhos lindos. Sons difíceis de serem ditos. Cabeça de um lado a outro, com esforço. Eu sorria apenas. A missa estava começando. Olhava para o altar e para os Franciscos. A flor caiu novamente. Eu abaixei para pegar. O pai, também. Ele me autorizou a fazer o gesto e eu coloquei novamente na cadeira do seu filho, próxima de suas mãos quase imóveis. Ele olhou para mim. Um olhar de gratidão. Olhamo-nos mais um pouco. Quis dizer al go. Ele, também. Decidimos que não era necessário. Era bom estarmos ali. Durante as músicas, dos seus olhos escorriam lágrimas. Olhos do filho. Olhos do pai.
"Somos muito emotivos". Eu acenei com a cabeça concordando: "Que bonito!". "Bonito é ser pai. É ser pai do Francisco".
No ofertório, ele tirou algumas moedas e depositou num cesto que passava. Olhou para mim e explicou: "Gostaria de ter mais para ajudar mais, mas é o que eu posso". O pai falava e o filho olhava. Alguns sons apenas e o sorriso.
A missa terminou. Algumas pessoas vieram conversar comigo. Os dois continuaram ali. Pareciam não ter pressa. O tempo da oração era sagrado. Saímos juntos. Contou-me o pai que o filho nascera vivo graças a um milagre de São Francisco. Com algumas doenças, mas vivo. Com algumas limitações, mas vivo. A mãe já morreu. Há uma outra irmã, mais velha, que vive com eles e os ajuda muito. O pai trabalha de dia. Ela trabalha à noite. É enfermeira. Portanto, sempre há alguém em casa para cuidar de Francisco. Ele disse que experimenta, todos os dias, um prazer único: "Não há preço que pague o sorriso de Francisco, quando abro a porta e entro em casa".
Fiquei imaginando a cena. O cotidiano. O exercício do cuidar. O padre, na missa, havia falado sobre o legado de Francisco de Assis. O santo que nos inspira a viver o amor. "Onde há amor e sabedoria, não há medo nem ignorância". Enquanto o padre falava, o Francisco pai, sentado, levava o chapéu até o seu peito. E, vez ou outra, passava a mão na cabeça do seu filho, Francisco. O filho sorria, demonstrando gratidão a Deus por ter um pai assim, santo, imaginava eu.
Na saída da Igreja, despedimo-nos. Beijei os dois. Senti tanta paz! Na missa e naquele encontro. Enquanto via aquele homem com o chapéu levando o filho pelas calçadas, fiquei pensando nas minhas lamúrias. Reclamações desnecessárias. A imagem da porta se abrindo e do menino sorrindo sem poder dizer o que gostaria - mas não era necessário, o pai sabia. O sorriso daqueles dois foi um presente do Santo. No seu dia. Para prosseguir. A pequena flor, que algumas vezes caiu, estava nas mãos do pai. Haverá de encontrar algum espaço para deixá-la perfumando o paraíso daqueles dois. Ou melhor, dos três. A irmã chama-se Teresinha. Dia primeiro de outubro, foi dia dela. A santa da delicadeza.
Por: Gabriel Chalita (fontes: Diário de S. Paulo e O Dia) | Data: 09/10/2016

07 outubro 2016

CineLivros: O Vendedor de Sonhos (Filme) - Bastidores

Está semana foi divulgado, um vídeo,  dos bastidores do filme : "O vendedor de sonhos" baseado na  obra de Augusto Cury. O filme estreará dia 08 de Dezembro. O filme tem direção de Jayme Monjardim. Elenco : Dan StulbachCésar Troncoso, Thiago Mendonça, Leonardo Medeiros...entre outros.


Curta nossa nosso facebook e fique por dentro de todas as novidades, deste filme.




Fonte do vídeo Canal :  Tem De Tudo Channel